quarta-feira, 23 de maio de 2012

CORAÇÃO PARTIDO

FOTO: Adriana Bastos
EDIÇÃO: Miguel Veiga




CORAÇÃO PARTIDO 
                                Miguel Veiga
  
O coração que se parte por desilusão,
Fica em pedaços igual a Joia quebrada,
Conserto difícil,
É uma peça muito delicada!


Pois o amor o lapida como 
O mais fino brilhante, 
Belo de ver, belo de sentir,
Peça rara de ser encontrada em caminhos errantes!


Feito como cristal
Quebrado ao chão, 
Cacos de brilhos dispersos
Os tempos na memória soprarão!


Quando Zéfiro mover as nuvens,
As águas límpidas brotarem no ribeirão,
Outros cristais serão lapidados 
Outras joias renascerão!


Quem sabe... Amanhã!

terça-feira, 8 de maio de 2012

RAÍZES DE AREIA



RAÍZES DE AREIA (Miguel Veiga)

A nudez da pele alva,
Rubra de pudor,
Contrastava com o emaranhado das raízes,
Que rompiam das dunas transformadas em resplendor!

Mangues generosos,
Transformados em pedestal,
Realçavam o corpo no azul
Apolíneo e dionisíaco travaram luta ancestral!

Delírio para os olhos
Combustível para paixão,
Eternizar o momento
Alimentou a libido e a razão!

Foi providencial a sublimação
Na conservação da beleza,
Imagens belas e sensuais
Consolam momentos de solidão!

(Para um amigo com carinho)


domingo, 6 de maio de 2012

BANQUETE PARA A ALMA


       Cupido e Psique - Jacques Louis David - 1817


BANQUETE PARA A ALMA 

Grande mesa posta, onírica,
Linda!
Entradas de pequenos afetos,
Ao molho de carícias,
Delícias!

Guarnições e pratos secundários recheados...
Com belos sonhos para um futuro consistente,
Apetitosos!

Prato principal, o Amor recheado de repetições...
Te amo, Te amo, Te amo, Te amo!
Repetidas vezes com banalidade,
Frugal degustação!

Sobremesa em louças finas,
De bem casados em caldas de ilusão,
Pura satisfação!

Convidado confirmado, presente ausente,
Perfeito na imaginação, dono do coração,
Mensagem de desilusão turva a magia da satisfação,
Vazio latente!

O tempo, senhor dos efêmeros,
Arrebata onírico desfazendo tudo no ar!
Faminta a ilusão resta chorar,
Fim de festa!

Tudo acabado,
Ilusão quebrada, em cacos a chorar!
Ferido coração a soluçar,
Lágrimas da decepção!

Nada existiu nem compartilhado,
Banquete de sonhos desfeito,
Sozinha agora soluça dentro do peito,
Alma solitária!

Enxugado o mar pelos olhos derramado,
Haverá um sonhador a alma agradar,
Novo banquete há de preparar,
Tempo e onírico podem festejar!
(Miguel Veiga)

O Rapto de Psique por Cupido
William Adolphe Bouguereau



terça-feira, 1 de maio de 2012

ÍCARO




"ÍCARO”
Às vezes, igual ao Ícaro
Não desisto,
 
Alço voo!
De novo, novo, de novo!
Já tinha dito
Nunca mais voar!
Traio a experiência!
E de novo, mergulho no amor.
Agora, igual ao mito, a cera derretida
Escorre em meu rosto em uma lágrima perdida.
Efêmera investida me arrebata ao sal de um outro mar,
E de forma onírica também o voo acabou,
A ilusão derretida em gotas de solidão,
É tudo que restou!
Miguel Veiga.